Home » Notícias » Notícias Detalhes

Notícias Técnicas

Cuidados com a produção de Silagem melhoram a produção de Leite
Data: 05/03/2014

Antônio Costa Junior

Engenheiro Agrônomo – Cosulati

 

A silagem de milho é uma boa opção para os diferentes sistemas de produção de leite, comparada a outros volumosos, a cultura do milho possibilita grandes produtividades de forragem por área em menor tempo, permitindo o plantio sucessivo de outras culturas.  

A competitividade do segmento da produção de leite dependerá em larga escala de como serão manejados os recursos solo, água e planta, que qualificam toda cadeia alimentar, onde a vaca produz o leite, um alimento rico em nutrientes, capaz de ser a única fonte de nutrientes de um recém-nascido, a partir de fibras vegetais oriundas das forragens, e neste contexto, quanto melhor a qualidade desta fibra, mais eficiente é a produção de leite.

Na cultura do milho, alguns aspectos causam variações na qualidade da silagem, para obter-se o máximo do aproveitamento deste volumoso é importante seguir alguns parâmetros desde a escolha da semente, época de plantio, ponto de corte, vedação e período de fermentação e a condução do silo até disponibilizar este alimento para o rebanho leiteiro.

1-      Primeiros Cuidados na Lavoura

A escolha de um híbrido próprio para a silagem e a condução deste, com uma boa adubação de base, cobertura de nitrogênio, controle de plantas daninhas e ataque de pragas resultam numa lavoura com elevada produção de massa verde e grãos, que por consequência resultam numa silagem de alto valor energético, um dos fatores primordiais para o stad inicial da lavoura é o momento certo da aplicação da ureia(N), recomenda-se que o produtor distribua no mínimo em torno 250 kg por hectare, quando o milho estiver no estádio V6, com seis folhas expandidas, elevando seu crescimento vegetativo aumentando a produção de volumoso. Com relação à adubação lembramos a matéria veiculada na edição anterior da revista O Recado onde foi feita uma comparação da relação Custo X Benefício de realizar uma adubação correta sobre a produtividade de uma lavoura de milho para silagem.

2-      Ponto exato do corte

Após o preparo e os cuidados na lavoura o passo seguinte é a determinação do ponto correto para colheita da lavoura, recomenda-se o corte com a ensiladeira quando a planta apresentar um teor de matéria seca(MS) entre 33 e 37%, como na prática é difícil de mensurar tal estágio seguimos a seguinte regra:

·         A espiga já estará apresentando os grãos com 50% da linha do leite preenchida, essa avaliação pode ser feita de forma direta, considerando a maturação do grão do milho através da chamada “linha do leite”, essa linha branca que atravessa o grão vai diminuindo dia a dia com a deposição de amido no grão, o ponto ideal de silagem é quando a parte dura da linha do leite represente metade do grão, isso pode ser avaliado quebrando uma espiga ao meio e apertando o grão com a unha, nesse ponto a textura do grão, quando amassado é de farináceo, e a planta já apresenta as folhas da base secas e a palha da espiga começando a amarelar. O ponto de corte antecipado compromete o valor nutricional do volumoso, já que um grão com menor teor de amido diminui a produção de energia quando digerido pela vaca.

 

3-       Regulagem das Ensiladeiras  e  Tamanho de Partícula

Para o corte recomenda-se que as facas da ensiladeira sejam afiadas duas vezes diariamente durante 10 segundos aproximadamente, permitindo que as partículas sejam cortadas e não rasgadas como ocorre quando as facas estão “cegas”. Já para regular o tamanho de partícula devemos seguir as orientações do fabricante da ensiladeira sobre a distância de faca e contra-faca, normalmente deve ficar em torno de 1 a 1,5 milímetros (aproximadamente uma lâmina de serrinha de cortar ferro). A manutenção do maquinário resultará numa melhor eficiência de trabalho, estando os equipamentos bem regulados e afiados , o tamanho da partícula ficará de 0,5 a 4 cm.

Partículas grandes dificultam a compactação e normalmente são rejeitadas pelos animais no cocho, aumentando as perdas durante a alimentação. O produtor deve avaliar se os grãos presentes na silagem estão sendo triturados ou mesmo quebrados, o grão do milho com um leve corte já contribui para processo de fermentação e posterior digestão pela vaca.

4-      Compactação

A retirada de ar da massa ensilada, por meio de compactação intensa é fundamental para a redução do processo de respiração e do aumento de temperatura, que tem como consequência a perda de energia na forma de calor, quanto mais intensa for a compactação melhor será a qualidade e a quantidade de alimento armazenado. Busca-se sempre trabalhar com 3 tratores, o primeiro de uso exclusivo na compatação do silo, um para o transporte com o reboque e outro com a ensiladeira na lavoura.

5-      Dimensionamento de Silos

Para se planejar o tamanho de um silo a ser construído é preciso saber quantas vacas devem ser alimentadas, qual a quantidade de silagem a ser fornecida por cabeça/dia e por quantos dias. A esta quantidade acrescenta-se, por segurança, mais 15% para compensar as perdas que ocorrem na ensilagem e no fornecimento aos animais. Para o silo-trincheira estima-se que uma tonelada (1.000 kg) de silagem ocupe entorno de 2m3 de volume, e com este dado será possível calcular o volume total da trincheira. 

O comprimento mínimo de um silo-trincheira ou de superfície é determinado multiplicando-se o número de dias de utilização do silo por 0,15 m, pois 15 centímetros é a espessura mínima da fatia de silagem a ser retirada diariamente do silo depois de aberto.

Um exemplo de cálculo do tamanho de um silo-trincheira:  

- são 50 vacas leiteiras para serem alimentadas com silagem, durante 120 dias.

- a cada vaca serão fornecidos 20 kg de silagem por dia. 

 

Calculando a quantidade de silagem necessária: 

50 vacas x 120 dias x 20 kg de silagem/dia = 120.000 Kg (120 toneladas), e mais 15% de margem de segurança(18 Ton) dão uma necessidade total de 138 t de silagem. 

Como 1 t de silagem ocupa 2 m3 de silo, então 138 t de silagem ocupam 276 m3 de silo .

O comprimento mínimo que teria que ter este silo é de 0,15 m x 120 = 18 m.

6-      Retirada de Silagem e Fornecimento aos Animais

Conforme mencionado anteriormente a retirada mínima diária deve ser de uma fatia de 15 centímetros do silo, sendo que esta silagem de modo geral deve ser oferecida logo após ser retirada do silo, já que assim que tem contato com o oxigênio a silagem começa a fermentar, aquecer e perder o seu teor de energia, perdendo qualidade e diminuindo a produção de leite.

É fundamental nos dias atuais de aumento de custos de insumos termos eficiência produtiva e controlar os custos de produção. Na pecuária de leite um fator que influencia diretamente neste resultado é a qualidade do volumoso, quanto melhor o volumoso, maior a produção e menor a necessidade de concentrado, diminuindo o custo de produção por litro de leite.

Para maiores esclarecimentos ou dúvidas sobre a produção de silagem de qualidade consulte o Técnico de sua região.

 



Veja também


Centro Administrativo Praça Vinte de Setembro, 281 - Pelotas / RS
Telefone:(53) 3284 5200 - 0800 64 55 200